FMI ALERTA QUE PORTUGAL ESTÁ SEM MARGEM PARA MAIS AUSTERIDADE

Published on Jul 17 2012 // Economia, News
Share Button

|DR|

Para o FMI, há uma “fadiga de ajustamento” nos países alvo de ajuda externa.

Passos Coelho ainda não garantiu défice.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou ontem para o perigo de “fadiga” de austeridade nos países sob ajuda externa, considerando que a Grécia deve servir de aviso para os restantes países, Portugal incluído. A deterioração da actividade económica, diz o FMI, exige que se preste mais atenção às metas estruturais, ao invés das nominais, que serão necessariamente afectadas pela recessão. Num relatório sobre a execução orçamental, o BPI vai ao encontro das preocupações do Fundo e avisa – uma visão corroborada pelos economistas – que a adopção de medidas de austeridade adicionais pode tornar-se contraproducente.

Em véspera de publicar os documentos com as conclusões da última revisão ao programa português – serão conhecidos hoje -, o FMI veio alertar para os perigos de austeridade em excesso. “Nos três países da zona euro com programas suportados por financiamento da União Europeia e do FMI, o ajustamento está a prosseguir, mas a recente deterioração do clima político e económico na Grécia serve de aviso para a possibilidade de se estar a dar início a uma ‘fadiga do ajustamento’, o que é uma ameaça à continuidade da implementação dos programas” de consolidação, pode ler-se na actualização do Fiscal Monitor do Fundo, publicado ontem.

“Esse perigo [de fadiga de austeridade] existe”, reconhece João Loureiro, economista e professor da Universidade do Porto. “E o risco será ainda maior se [as eventuais medidas adicionais de austeridade] forem pelo lado da receita fiscal, nomeadamente impostos sobre o rendimento, seja de trabalho ou de capital”, acrescenta.

www.economico.pt

comment closed